O projeto Farinha Munduruku, desenvolvido pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado Pará (Emater) junto a indígenas na cidade de Jacareacanga, sudoeste do Pará, oferece técnicas de melhoramento da qualidade da farinha de mandioca e o desenvolvimento de equipamentos para facilitar a produção. Mais de 50 aldeias já foram atendidas e cerca de mil indígenas já passaram pela formação.

O técnico da Emater, Raimundo Delival, que coordena os cursos nas aldeias, afirma que antes do projeto, a farinha era de qualidade inferior, com a cor escura, sem muito valor comercial. Com as qualificações, as técnicas de produção ajudaram a melhorar o produto. “A mandioca passou a ser lavada antes de colocar para pubar (processo de fermentação), e hoje são aproveitados também a goma de tapioca, assim como o tucupi, entre outros derivados”, afirma.

Os indígenas aproveitam a venda do produto para comprar equipamentos e insumos para a aldeia, como motor gerador, bomba d’água, aparelhamentos para a casa de farinha e para reforma, quando necessário. Todo o processo de produção, armazenamento e vendas tem o acompanhamento da Emater local. 

Segundo a supervisora regional Tapajós da Emater, Maria de Nazaré Dergan, os indígenas passaram a fornecer produtos para a merenda escolar das unidades dentro das aldeias. “Eles já tinham o conhecimento da produção da farinha, mas não sobre o beneficiamento. Tinham pouco acesso a informações sobre higiene, aproveitamento dos derivados e, com as oficinas, passaram a produzir um produto de maior qualidade”, explica.

O equipamento, chamado Sucuri, é feito de madeira para facilitar o trabalho dentro da casa de farinha. Segundo o técnico da Emater, na prensa antiga, para a massa da mandioca ficar pronta para torrar, demorava mais de cinco horas. Com a nova, em 40 minutos a massa está pronta.

O projeto é desenvolvido pelo escritório local da Emater de Jacareacanga desde 2012 dentro das terras indígenas Munduruku e Sai Cinza. Para 2021, a Empresa firmou parceria com a Secretaria de Agricultura (Semam) e Secretaria Indígena (SemaiI) de Jacareacanga, Associação Indígena Pussuru, juntamente com a Funai, para iniciar os treinamentos e confecções de mais prensas, que já foram solicitados pelos indígenas.

FRANGO CAIPIRÃO: Em 2020, foi implantada a Unidade de Referência do Frango Caipirão, que é um projeto realizado pela Emater, em parceria com Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater). A ideia surgiu a partir das necessidades sugeridas pelos indígenas do município que queriam melhorar a criação de frango caipira nas aldeias. “O projeto atende 25 famílias do município, sendo 20 indígenas. O frango caipirão é muito consumido por eles e essa parceria, onde nós garantimos os materiais e eles entram com a mão de obra, é feita com muito compromisso e confiança. A produção tem aumentado significativamente”, afirma Maria de Nazaré Dergan.

Fonte: Agência Pará 



Post a Comment

Se identifique e deixe seu comentário com responsabilidade!!!

Postagem Anterior Próxima Postagem

CASA DOS PADRÕES E ENERGIA SOLAR:

Está pagando talão de energia com valores exorbitantes? Quer pagar só a taxa mínima?Entre em contato com nossa equipe que está esperando para lhe atender.- Loja: (93) 99241-1288 – - Setor Técnico: (93) 99193-1288. - E-mail: casadospadroes.stm@gmail.com - Site: https://www.casadospadroes.com.br/energia-solar - https://www.instagram.com/casadospadroes.energiasolar/